31 de dezembro de 2020

Ato virtual mostra prejuízo aos servidores com retirada do auxílio saúde

Os sindicatos dos servidores da Justiça Federal da 5ª Região realizaram Ato Virtual em Defesa do Auxílio Saúde no dia 17 de dezembro.  As entidades solicitaram aos servidores que parassem suas atividades durante uma hora, das 10 às 11 horas, para acompanhar o ato na Web e mostrar a insatisfação com a possibilidade de exclusão do auxílio-saúde pelo TRF da 5ª Região em virtude do plano de autogestão TRFMED. Em Alagoas, o ato virtual foi retransmitido pelo Facebook do Sindjus-AL: https://www.facebook.com/sindjusal.

Representando o Sindjus-AL, o coordenador Jurídico, Paulo Falcão, ressaltou que a luta começou no ano passado, com o esforço coletivo dos sindicatos e associações em benefício de toda a categoria. “O auxílio saúde é peculiar ao trabalho da nossa categoria. É direito constitucional. É com base nisso que conclamamos a todos para fortalecer as entidades e juntos conseguiremos manter os nossos direitos”, disse, revelando que o Tribunal, como empregador, tem a obrigação de fornecer os meios para a categoria continuar vivendo.

“Nesse sentido, construímos há 15 anos o nosso plano em Alagoas. Conseguimos minimizar os prejuízos. O Tribunal, ao criar plano de autogestão, está ao mesmo tempo excluindo os servidores”, revelou Falcão.

De acordo com o sindicalista, o projeto não é democrático, pois não permite que se participe ativamente dos conselhos deliberativos da Administração, além de criar situações discriminatórias com um plano com menos benefícios e outro com mais benefícios. “Isso trouxe revolta constante e indignação à categoria”.

Ainda no ato virtual, o presidente da Assejuf/AL, Augusto Campelo, destacou que foi apresentado o plano de autogestão sem atender a ampla maioria dos servidores da Justiça Federal. “A autogestão foi criada para resolver o problema daqueles servidores que estavam na SulAmérica, com isso, trouxe solução para uma pequena parte da categoria e grande problema para a maioria dos servidores da 5ª Região, que é a perda do auxílio saúde.

O dirigente afirmou que no momento os servidores estão com os salários congelados e sofreram aumento da contribuição previdenciária com a reforma da Previdência. “A realidade é que 409 famílias de Alagoas não trarão benefícios com a autogestão. Os servidores vão ter prejuízo. Não se sustenta a autogestão com essa estrutura e da forma que foi implantada”.

No ato virtual, a servidora da Justiça Federal Renata Tenório informou os danos à sua família com a autogestão. Ela disse que possui dois filhos, esposo, o pai e a mãe no atual plano da Unimed da Assejuf-AL, que realizam tratamentos. Enfatizou que sem o auxílio saúde, terá que escolher entre os membros da família, que irão permanecer com plano de saúde e quais terão que sair do plano.

Para a dirigente do Sintrajufe – CE, Poliana Cabral, é uma grande injustiça. “Muitos servidores são arrimo de família, sustentam pais, mães e até cônjuge”, disse, revelando que é necessário todos se unirem para manter o auxílio e defender os direitos.

Realizaram a mobilização pela manutenção do auxílio saúde o Sindjus-AL, Sintrajufe-CE, Sintrajuf-PE, Sintrajurn, Sindjuf-PB, Assejuf-AL e Sindjuf-SE.

Reunião com o presidente

Antes da realização do ato virtual, os sindicatos e associações se reuniram por videoconferência com o presidente do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), desembargador Vladimir Carvalho, e a coordenadora do projeto do TRFMED, juíza federal auxiliar da Presidência Joana Carolina Lins Pereira, com o objetivo de sensibilizar a direção do Tribunal para a necessidade da manutenção do auxílio saúde.

Além dos pleitos, que foram defendidos, as entidades solicitaram a prorrogação do bônus/auxílio saúde por um ano; no entanto, a resposta do presidente foi negativa.

 

 

31 de dezembro de 2020

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *