22 de janeiro de 2019

Entidades alagoanas mostram união no ato em defesa da Justiça do Trabalho

As entidades de servidores do Judiciário Federal e do MPU, de advogados e magistrados do Trabalho reafirmaram a união no Ato Público em defesa dos direitos sociais e da Justiça do Trabalho, realizado na segunda-feira (21), em frente ao prédio das Varas do Trabalho de Maceió.

A manifestação em defesa da Justiça do Trabalho foi realizada em todos os estados do Brasil, contra a declaração do presidente Jair Bolsonaro, de que sua equipe estuda a criação de projeto de lei, objetivando a extinção da Justiça do Trabalho, caso haja clima.

O ato público contou com a participação de representantes da Amatra 19, da Anamatra, da Asstra 19, da AATAL, da OAB/AL, da Caixa de Assistência da OAB, do Sindjus-AL, do Sindicato dos Advogados de Alagoas, da Atrial, do MPT, do Sindagro, da ANPT, do Sinait, de populares.

Durante as intervenções, o presidente da Amatra 19, Nilton Beltrão Albuquerque Júnior, destacou a importância da realização do ato público para defender a Justiça do Trabalho contra a ameaça de extinção. Ele disse que a Justiça do Trabalho é a pacificadora entre o capital e trabalho.

O representante da Anamatra Valter Pugliesi alertou sobre a campanha contra a Justiça do Trabalho. “São repassadas informações falsas, que têm o objetivo de destruir o ordenamento da Justiça do Trabalho”, disse, destacando que a Justiça é parcial e visa a proteção dos direitos dos trabalhadores.

Carlos Henrique, da AATAL, disse que é inviável a extinção da Justiça do Trabalho. Revelou também que com a reforma trabalhista, foi reduzido os direitos, houve mais desemprego, maior número de acidentes de trabalho e adoecimento de trabalhadores.

Somando-se às intervenções dos representantes, a advogada Priscila de Barros, da AATAL, também defendeu a mobilização das entidades, afirmando que os trabalhadores precisam da Justiça do Trabalho.

O presidente da OAB-AL, Nivaldo Barbosa, destacou que todos devem sair com a missão de proteger os direitos sociais. “Se não disseminarmos essa preocupação, a Justiça pode ser extinta, e isso levará o colapso da Justiça. Estaremos vigilantes. Vamos levar essa consciência à sociedade”, defendeu.

Ednaldo Maiorano, da OAB-AL, também declarou que a vigília deve ser constante, diante da importância da Justiça do Trabalho para a sociedade.

Agamenon Conde, do Sindicato dos Advogados de Alagoas, enfatizou a preocupação com a ameaça de extinção da especializada. “Toda a sociedade brasileira deve estar preocupada. Devemos nos engajar cada vez mais nessa luta. Esse poder da Justiça do Trabalho só faz o bem a sociedade”.

Basile Christopoulos, membro da Atrial, também ressaltou a importância do sentimento de união das entidades para combater o projeto de extinção dos direitos sociais e trabalhistas.

O Procurador-chefe da PRT/AL, Rafael Gazzaneo Junior, repudiou a atitude do presidente do TST que tentou desestimular a realização do ato. “Esse ato singelo é um pontapé contra a extinção da Justiça do Trabalho. Vamos continuar com a vigília em defesa da Justiça do Trabalho, que cumpre o seu papel e protege a parte mais fraca. Aqui é a justiça de desempregados”, disse.

O coordenador Geral do Sindjus-AL, Paulo Falcão, lembrou que o prédio das Varas do Trabalho é o quilombo de luta dos servidores do Judiciário Federal. Ele também criticou a declaração do presidente Jair Bolsonaro de que o trabalhador terá que escolher entre ter direito sem emprego ou emprego sem direito. “Sabemos que a caneta não vai acabar com a Justiça do Trabalho, mas as atitudes, como a reforma trabalhista, a Emenda Constitucional 95, de congelamento dos gastos públicos, a extinção do Ministério do Trabalho”, alertou.

Ao final do ato público, todos os participantes deram um abraço simbólico no prédio das Varas do Trabalho.

22 de janeiro de 2019

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *