21 de dezembro de 2018

Equipe alagoana de Tiro Esportivo enfrenta dificuldades e conquista vitórias

Delegação alagoana se destaca conquistando mais de 70 medalhas no Campeonato Brasileiro de Tiro Esportivo

 

As dificuldades não desanimaram a delegação alagoana de Tiro Esportivo que conquistou mais de 70 medalhas no Campeonato Brasileiro de Tiro Esportivo. Com 15 atletas, sem patrocínio e enfrentando a burocracia, a delegação chegou ao pódio ao longo de toda competição. Toda equipe é formada por adultos de mais 30 anos, que se estabilizaram financeiramente.

Para conhecer a realidade desses atletas, a reportagem do Sindjus-AL acompanhou o treino do Oficial de Justiça Avaliador Federal Jamerson José de Santana no Clube Alagoano de Tiro Olímpico – CATO. Jamerson é recordista alagoano na modalidade de carabina mira aberta 25 metros e calibre menor.

Ele pratica o esporte desde 2009. Desde criança, sempre gostou de armas. “Brincava com tudo que envolvesse habilidade de atingir um alvo. No início, foi o estilingue, depois a carabina de pressão e hoje estou na modalidade que usa armas de fogo”, revela.

De acordo com ele, no tiro desportivo, há modalidades cujo treinamento também é útil para defesa pessoal, mas esse não é o foco. Jamerson usa arma longa, a carabina, que exige concentração e tiro de precisão. A cada 15 dias, ele treina no CATO. Também é filiado à Federação Alagoana de Tiro. No local, cada atirador possui sua arma. Para ser Atirador, é necessário ter registro no Exército, o CR – Certificado de Registro. “É preciso deixar claro, definitivamente, que Atirador é a pessoa física registrada no Exército que pratica o esporte do tiro. Quem comete crimes com armas de fogo, na maioria das vezes, com armas ilegais, não são Atiradores, são criminosos”, esclarece.

O Oficial de Justiça destaca a dificuldade de ter acesso aos equipamentos por existir no Brasil a proibição da venda de armas fabricadas no exterior, além disso o País apenas possui a Taurus como fabricante. “O esporte de tiro não é mais desenvolvido por conta dos obstáculos da burocracia, de aquisição de equipamento e elevado custo”, comenta.

Jamerson possui duas carabinas de tiros de 25 metros e de 50 metros. Para adquirir uma delas, ele passou quase um ano até concluir a importação. “O processo burocrático para autorização no Exército, durou quatro meses. Já nos Estados Unidos, foi rápido, apenas cinco dias”, expõe.

No treino, Jamerson fica concentrado para acertar o alvo, mantendo-se parado com a arma apoiada no corpo para minimizar a vibração.

Iniciante
Para quem quer iniciar, o Oficial de Justiça aconselha se filiar a um clube de tiro e se registrar no Exército como atirador esportivo, depois comprar a arma, munição e equipamentos. “Tudo que se faz, como comprar pólvora, projétil, espoleta e munição, precisa ter a prévia autorização do Exército”, explica.

“Fabricamos nossas munições de acordo com a necessidade, já que na maioria das vezes, usamos para furar o alvo de papel”, explica Jamerson, destacando que a recarga é uma arte. “O tiro é uma explosão controlada”, revela.

 

Medalhas conquistadas no Campeonato Brasileiro

Jamerson Santana retornou com várias medalhas da final da 47ª edição do Campeonato Brasileiro de Tiro Esportivo e na Copa Brasil de Tiro Esportivo, organizados pela Confederação Brasileira de Tiro Esportivo – CBTE, no período de 21 a 25 de novembro deste ano. Os eventos foram realizados no Centro Militar de Tiro Esportivo, na cidade do Rio de Janeiro, que também sediou as competições de tiro nas olimpíadas de 2016.

O Oficial de Justiça somou sua habilidade com a pequena equipe alagoana, liderada pelo Atirador Marco Helder Christoni, recordista brasileiro na carabina mira aberta calibre maior, e que também conta com Ailton Patriota do TRT/AL, que é um nome de peso na modalidade do tiro ao prato, além da recordista brasileira e fenômeno do tiro esportivo Janaina Bedran, entre outros abnegados.

O Campeonato Brasileiro de Tiro Esportivo se desenvolveu ao longo de todo ano de 2018, em dez etapas, sendo nove etapas realizadas online, apenas a final aconteceu no Rio de Janeiro, junto com a Copa Brasil de Tiro Esportivo.

O servidor Jamerson José de Santana foi premiado tanto no Campeonato Brasileiro de Tiro Esportivo quanto na Copa Brasil de Tiro Esportivo, nas seguintes modalidades:

 

CAMPEONATO BRASILEIRO DE TIRO ESPORTIVO:
3º lugar (Bronze) na Carabina Mira Aberta 50m, Sporter, Classe A
3º lugar (Bronze) na Carabina Mira Aberta 50m, Calibre Maior, Classe A
COPA BRASIL DE TIRO ESPORTIVO:
Individual:
1º lugar (Ouro) na Carabina Mira Aberta 25m, Custom, Classe B
1º lugar (Ouro) na Carabina Mira Aberta 50m, Custom, Classe B
2º lugar (Prata) na Carabina Mira Aberta 50m, Calibre Maior, Classe A
Por Equipe:
1º lugar (Ouro), na Carabina Mira Aberta 50m, Calibre Maior, Classe A
3º lugar (Bronze), na Carabina Mira Aberta 50m, Calibre Menor Custom, Classe B.

21 de dezembro de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *